Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 30/05/2019 15/05/2019 14/05/2019 03/05/2019 10/04/2019
Saúde Federal  

Ato conclama à greve os servidores do HFSE, que fazem assembleia nesta 5ª (30)

27/07/2015

Da Redação do Sindsprev-RJ
Por Hélcio Duarte Filho

Manifestação em frente ao Hospital Federal dos Servidores do Estado (HFSE), na Praça Mauá, fez um chamado nesta segunda-feira (27) à participação do conjunto da categoria na mobilização e na greve da campanha salarial nacional em curso. “Essa é a hora das pessoas descerem, das pessoas demonstrarem sua dignidade, a dignidade [está com elas], não está com as chefias”, disse o servidor Luís Henrique, durante o ato organizado pelo Sindsprev-RJ.

Os servidores formaram uma comissão de mobilização e marcaram assembleia geral no hospital para a próxima quinta-feira, dia 30 de julho, a partir das 10h30, que será realizada na área próxima à escada rolante, junto ao ambulatório. O objetivo é agregar mais servidores a essa luta e organizar a paralisação no hospital, prevista para começar na unidade a partir de segunda-feira, dia 3 de agosto.

A servidora do Hospital Federal Cardoso Fontes, Cristiane Gerardo, disse que os hospitais do Ministério da Saúde, que já viviam uma situação muito precária, agora estão sofrendo ainda os efeitos dos cortes orçamentários promovidos pelo governo. “O orçamento do Cardoso Fontes foi cortado em 12%, isso é um crime”, disse a diretora do Sindsprev-RJ, ao defender a necessidade de mobilização. “Precisamos entrar em greve, não temos outra alternativa”, disse.

A manifestação, aliás, teve o reforço de servidores do HFCF, que já estão paralisados. “A ideia é mobilizar [todos os servidores]. O apelo que faço [para quem ainda não está na greve] é um [velho] jargão: a união faz a força”, disse à reportagem a técnica de enfermagem Marli dos Anjos, do Centro Cirúrgico do Cardoso Fontes, ao conclamar os trabalhadores à greve.

O servidor Júlio Tavares, dirigente regional do Sindsprev-RJ, observou que a greve da saúde federal e do INSS integram um movimento nacional que reúne ainda outros segmentos do funcionalismo. Ele relatou que a pressão vem fazendo o governo sentar à mesa para negociar, mas ainda foi insuficiente para arrancar propostas que de fato atendam às demandas da categoria. “O que o governo ofereceu até agora não dialoga com a nossa pauta”, disse, referindo-se às propostas de reajuste pré-fixados para os próximos quatro anos – nos percentuais de 5,5% em janeiro próximo, 5% em 2017, 4,75% em 2018 e 4,5% em 2019 – e no reajuste de benefícios (alimentação, saúde e creche). O fortalecimento do movimento, salientou, pode permitir avanços em pontos nas negociações relacionados aos salários, à incorporação da gratificação e às condições de trabalho.

O servidor informou que iria para Brasília no dia seguinte para participar do Comando Nacional de Greve e da negociação específica com os ministérios do Planejamento e da Saúde, prevista para ocorrer na terça-feira (28). O diretor do sindicato Sebastião Souza, o Tão, reforçou o alerta sobre a necessidade da participação para superar um quadro grave de condições de trabalho e salarial, no qual a categoria é proíbida até de se aposentar em decorrência das gratificações variáveis. "O momento é de unidade para fortalecer a greve, não dá para ganhar 60% [do salário] de gratificação", disse.  

O servidor Eduardo Pedroso, técnico do Laboratório do HFSE, disse que com as condições de trabalho e salariais atuais não faltam motivos para os trabalhadores da unidade participarem das mobilizações e da greve. “Se não [fizermos] nada, vamos ficar à míngua”, disse. “Essa é uma [boa] oportunidade para chamar todos os setores para cá e [superar] a falta de participação [de outros momentos]”, disse Gelson Lima, do Arquivo Médico do Hospital dos Servidores.

A servidora Márcia do Nascimento, do Ambulatório da Ginecologia, avaliou que a insatisfação é grande entre os trabalhadores, o que falta é transformar esse sentimento em ação. “É importante construir a greve para a gente ter força para sensibilizar o governo”, disse, ressaltando que a construção da paralisação é um processo que será desenvolvido aos poucos, de forma a ganhar cada servidor para essa luta.






     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec