Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 30/05/2019 15/05/2019 14/05/2019 03/05/2019 10/04/2019
Saúde Estadual  

Governo apresenta proposta e saúde estadual faz assembleia nesta quinta-feira, 5/06

04/06/2014

Servidores da saúde estadual em manifestação e vigília, nessa quarta-feira 4, durante negociação com o secretário de saúde, Marcos Musafir
Foto: Mayara Alves

Da Redação do Sindsprev/RJ
Por André Pelliccione

Em negociação com representantes do Sindsprev/RJ e da Asservisa (Associação dos Servidores da Vigilância Sanitária) realizada na tarde dessa quarta-feira 4, o secretário estadual de saúde, Marcos Musafir, e a Superintendente de Saúde, Fátima Matheus, apresentaram aos servidores da saúde estadual em greve uma proposta não muito diferente da que fora discutida nas negociações anteriores: incorporação imediata de 60% da Geeled e dos 40% restantes em maio de 2015; incorporação imediata e integral da gratificação Encargos SES; reajuste de 6% sobre o vencimento-base, em junho de 2015; e reajuste de 6% sobre o vencimento-base, em junho de 2016.

A proposta será avaliada pelos servidores na assembleia que acontece nesta quinta-feira 5, a partir das 10h, na rua México 128, centro. Todos estão convocados a participar.

Ato e vigília durante a negociação

A negociação dessa quarta aconteceu no gabinete do secretário (rua Graça Aranha 182) e foi acompanhada por manifestação e vigília de servidores, que, com faixas, tambores e apitos, protestaram contra o sucateamento da saúde pública, os baixos salários e as tentativas do governo estadual de entregar as gestões de hospitais às chamadas ‘organizações sociais’ e à Fundação de Saúde do Rio.

“O nosso movimento de greve está sendo fundamental para que a gente possa avançar e, a partir da assembleia desta quinta-feira, possamos deliberar sobre a proposta apresentada na mesa de negociação. Vivemos um momento histórico da luta dos trabalhadores da saúde e não podemos perder de vista que só a mobilização pode mudar a nossa vida”, afirmou a servidora Denise Nascimento, que, junto com Clara Fonseca, representou o Sindsprev/RJ na negociação.
 
Reagindo à privatização da saúde

Para o diretor do Sindsprev/RJ e servidor da saúde federal Sebastião José de Souza (Tão), é preciso reagir às políticas privatizantes dos governos. “Nos últimos anos, a saúde pública foi sucateada e vem sendo preparada para uma completa privatização. Temos que fazer alguma coisa. Chamamos todos a fazerem uma reflexão e nos unirmos. No próximo dia 10 faremos um grande ato público para denunciar o sucateamento e a privatização da saúde pública, que o governo quer transformar em mercadoria”, disse.

Técnica de Enfermagem no Hospital Estadual Azevedo Lima, Neri Muniz de Souza compareceu ao ato para manifestar seu apoio aos servidores em greve.  “O movimento de greve deve continuar para estimular a luta dos servidores e conquistar direitos. Estou aqui porque acredito nessa luta. No meu hospital, por exemplo, está tudo sucateado desde que eu entrei lá, há 14 anos. Essa situação tem que mudar”, desabafou ela, que também falou ao carro de som.

Estão em greve na saúde estadual os servidores lotados na Vigilância Sanitária Estadual, na Atenção Básica, Vigilância Epidemiológica e Recursos Humanos.






     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec