Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 12/09/2017 06/09/2017 01/09/2017 30/08/2017 30/08/2017
Saúde Estadual  

Estado: funcionalismo protesta no TJ-RJ e diz que atraso de salário 'não é mero aborrecimento’

21/07/2017


Funcionalismo protestou em frente ao TJ-RJ, com participação da saúde estadual
Foto: Fernando França

Da Redação do Sindsprev/RJ
Por André Pelliccione

Em conjunto com outras categorias do funcionalismo, servidores da saúde estadual participaram, na tarde da última quinta-feira 20, de mais um ato contra os atrasos de salários, após terem protestado pela manhã em frente à Perícia Médica do Estado, na Praça Tiradentes. (Veja matéria específica, clicando aqui.)

Organizado pelo Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais (Muspe), desta vez o protesto foi em frente ao Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ), onde os servidores repudiaram a atitude de juízes daquele Tribunal que classificaram de ‘mero aborrecimento’ a situação de atraso salarial vivida pelo funcionalismo.  As declarações dos magistrados foram dadas quando do julgamento de ações protocoladas por servidores nos Juizados Especiais do TJ-RJ, pedindo indenização por danos morais. Os pedidos dos servidores foram negados pelo judiciário.

Com faixas e cartazes com dizeres como ‘servidores pedem ajuda’ e ‘luto pelo Rio’, o ato concentrou-se em frente à entrada principal do TJ-RJ, na Av. Pres. Antônio Carlos, Centro. “Estamos com um estado falido, onde os servidores estão sem salários e sem qualquer perspectiva. Também vivemos num país onde o presidente da república foi denunciado por crime comum. Um verdadeiro caos. Por isso que defendemos a resistência popular, com o povo tomando em suas mãos a sua história”, afirmou o servidor César Dória, da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP-RJ).

Servidora da saúde estadual lotada há 16 anos no Hospital Getúlio Vargas, Madalena de Almeida Pereira também criticou a situação do funcionalismo. “Estamos numa situação dramática. Uma situação que não será resolvida com a distribuição de cestas-básicas porque cestas-básicas não pagam as nossas contas. Apesar de tudo, continuamos nossa visitação aos hospitais para mobilizar os servidores. Queremos a unificação da luta com outras categorias. Não podemos desistir”, completou.

Os servidores planejam novos atos pelo pagamento de salários e contra o sucateamento de unidades da rede estadual de saúde.


Declarações equivocadas do Judiciário, tentando minimizar o drama dos servidores, revoltaram o funcionalismo
Foto: Fernando França






     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec