Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 15/05/2019 14/05/2019 03/05/2019 10/04/2019 13/12/2018
Política  

Marcha contra Lula leva milhares a Brasília

17/08/2005


 

Milhares de manifestantes ocuparam o centro do poder político do país, nesta quarta-feira 17, na marcha contra o governo Lula, o Congresso Nacional e a corrupção. Fizeram o maior protesto contra o governo desde que estourou a crise do mensalão, após denúncia da compra de votos e apoio de deputados e partidos pelo PT.
A irreverência marcou o protesto, que percorreu os ministérios, contornou a Praça dos Três Poderes e terminou à tarde com um ato no gramado em frente ao Congresso Nacional. Já na concentração, pela manhã, um manifestante, vestindo uma fantasia que combinava Tio Sam e banqueiro do FMI (Fundo Monetário Internacional), 'provocava' os manifestantes ao oferecer 'dinheiro' que tirava de uma mala tipo 007.
Na marcha contra o governo não houve dúvida: Lula não só sabia do mensalão como teria sido um dos mentores do esquema de compra de apoios de deputados e partidos. Era o que se via estampado nos adesivos, faixas, cartazes e palavras de ordem. O alvo central foi o presidente. "Lula vai ganhar uma passagem pra sair deste lugar, não é de trem, nem de metrô, nem de avião, é algemado num camburão. Ê governo ladrão!", foi entoado no início do ato.
A marcha foi organizada pela Conlutas (Coordenação Nacional de Lutas), sindicatos, federações, entidades do movimento estudantil e popular e partidos da esquerda - PSOL, PSTU e PCB. O Sindsprev participou enviando doze ônibus. Servidores estiveram em grande número no ato e criticaram o governo por ele beneficiar banqueiros e empresários enquanto se recusa a negociar com o funcionalismo.
Durante o ato político final, o PSTU afirmou que não há solução para crise pela via institucional que atenda aos interesses dos trabalhadores e lançou a palavra de ordem "Fora Todos", governo e Congresso corrompidos. "A alternativa só pode ser construída num amplo processo de mobilização social no país", afirmou José Maria de Almeida, o Zé Maria, presidente nacional do partido.
A senadora Heloísa Helena (PSOL/AL) defendeu a realização de um plebiscito para que a população decida se quer antecipar as eleições gerais. "O povo tem que decidir", disse. Ela afirmou que o Congresso, corrupto, não tem legitimidade. E que a decisão sobre a crise deve sair de um plebiscito popular. "O que não podemos aceitar é o falso dilema entre os corruptos neoliberais de antes e os atuais", disse, referindo-se à disputa entre a oposição oficial, liderada pelo PSDB e PFL, e o PT
O dirigente do PCB Igor Graboes também propôs uma consulta popular, esta para saber se as reformas aprovadas pelo Congresso "corrupto", da Previdência inclusive, devem ser anuladas ou não.
Foi inevitável a comparação com o ato pró-governo realizado na véspera pela CUT (Central Única dos Trabalhadores), UNE (União Nacional de Estudantes) e MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra). "É um dia histórico em Brasília, a marcha de hoje enterra o movimento chapa-branca de ontem", disse o deputado federal João Fontes, do PDT, partido que também participou do ato. Os organizadores avaliam que 20 mil pessoas compareceram à marcha. Quase 15 pessoas que acompanharam as duas manifestações afirmaram à reportagem deste jornal que a marcha contra Lula superou o ato pró-governo de terça-feira. "Hoje tem muito mais gente", afirmou o vendedor informal Cláudio Marinho dos Santos.
Muito criticado, o ato da CUT e da UNE foi acusado de fingir atacar a corrupção.
A marcha foi encerrada com o discurso do metalúrgico Luis Carlos Prates, o Mancha, que falou pala Conlutas. Ele fez um apelo à unidade e à construção de uma frente de esquerda que busque construir alternativas dos trabalhadores para crise. "Esta luta não acaba agora, é o início de uma jornada", disse.






     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec