Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 30/05/2019 15/05/2019 14/05/2019 03/05/2019 10/04/2019
Política  

Povo nas ruas do Egito derruba segunda ditadura árabe em 30 dias

11/02/2011

Da Redação do Sindsprev-RJ
Por Hélcio Duarte Filho

Os incansáveis protestos que reuniram milhões de pessoas nas ruas do Cairo, Alexandria e outras cidades do Egito derrubaram mais uma ditadura no mundo árabe apoiada pelo governo dos Estados Unidos. O ditador Hosni Mubarak renunciou, nesta sexta-feira (11), após 30 anos governando o país com mão de ferro. É a segunda ditadura que desaba diante das manifestações populares na região em menos de 30 dias. No dia 14 de janeiro, o ditador da Tunísia, Zine el Abidine Ben Ali, abandonou o país em meio à Revolução do Jasmim, que se lastrou por outros países, gerando protestos na Argélia, Jordânia e Iêmen, entre outros.
A queda do ditador egípcio, principal aliado do governo estadunidense de Barack Obama no Oriente Médio, levou centenas de milhares às ruas em comemoração. Coube ao vice-presidente, Omar Suleiman, fazer o anúncio da renúncia, em pronunciamento na TV estatal.

Greves explodiram pelo país

O poder foi entregue às Forças Armadas que, embora nos últimos dias tenha se recusado a reprimir os manifestantes, não integra as mobilizações que sacodem o país. Há relatos, no entanto, de que o Exército conta com apoio popular, especialmente devido às disputas com Israel. Não está claro ainda como ficará o governo do país após a renúncia e nem como os manifestantes reagirão aos militares no poder.
É provável que a gota d’água para queda do regime tenha sido a convocação da greve geral, programada para durar até o dia 5 de março. No momento, a população comemora nas ruas. “Muita alegria com a queda de Mubarak. Praça tomada. Todos se abraçam, cantam, dizendo mabrouk (parabéns). Recebi uns quatro abraços de quem estava perto”, escreveu, no Twitter, Luiz Gustavo Porfírio, historiador e enviado do jornal “Opinião Socialista”, publicação do PSTU, ao Cairo. Na véspera da queda do ditador, Porfírio estendeu uma bandeira da CSP-Conlutas (Central Sindical e Popular) na Praça Tahrir, principal palco da revolução egípcia em curso. 






     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec