Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 30/05/2019 15/05/2019 14/05/2019 03/05/2019 10/04/2019
Geral  

Servidores cercam Planejamento e exigem negociação

27/08/2015

Servidores bloqueiam entradas do Planejamento, em Brasília, e cobram negociação
foto: Valcir Araujo

Da Redação do Sindsprev-RJ
Por Hélcio Duarte Filho

Servidores públicos federais em greve bloqueiam, desde as 5h45 da manhã desta quinta-feira (27), todos os acessos ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (Mpog), em Brasília. Os manifestantes exigem que o governo dialogue e abandone sua posição inflexível nas mesas de negociação.

Participam do protesto servidores de diversos segmentos do funcionalismo, entre eles a educação e a seguridade social. O cerco impede a entrada no bloco c do Planejamento, próximo à Catedral, na Esplanada dos Ministérios. Está prevista para esta quinta uma nova marcha nacional do funcionalismo em Brasília.

As negociações não têm avançado porque o governo argumenta que é preciso cortar recursos do orçamento dos serviços públicos para fazer o ‘ajuste fiscal’. A economia é utilizada para pagar juros das dívidas públicas ao mercado financeiro – em geral grandes bancos, setor, aliás, que vem dando declarações favoráveis ao governo Dilma.

Até o momento o Ministério do Planejamento não marcou novas reuniões, nas quais, segundo anunciara, pretendia apresentar o que seria a ‘proposta final’ para os servidores. Segundo a Condsef, confederação que agrega setores ligados a boa parte dos ministérios e a áreas como Cultura e Meio-Ambiente, o Planejamento enviou documento à entidade, na quarta-feira (26), no qual mantém a proposta já recusada de fixação prévia dos índices de reajuste nos próximos quatro anos.

O percentual inicial, em janeiro, seria de 5,5%, com parcelas regressivas até janeiro de 2019, totalizando, no acumulado no período, 21,3%. A inflação prevista só para 2015 é de cerca de 10%, mas é ignorada na contraproposta. O documento também prevê a incorporação parcial da gratificação do setor, mas de forma escalonada ao longo dos próximos anos.

No Rio, os servidores do Ministério da Saúde fazem, a partir das 10 horas da manhã, manifestação em frente à sede do órgão no estado, na rua México 128, no centro da capital.






     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec