Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 30/05/2019 15/05/2019 14/05/2019 03/05/2019 10/04/2019
Geral  

Em greve, profissionais da educação estadual fazem assembléia na quarta

28/03/2016

Da Redação do Sindsprev/RJ
Por Olyntho Contente*

Nesta quarta-feira (30), os profissionais da educação do estado do Rio de Janeiro fazem nova assembléia, desta vez, às 10 horas, no Paço Imperial, seguida de ato público. A paralisação começou forte, no dia 2 de março, em todas as regiões do estado e conta com 70% de adesão.  Entre as reivindicações, todas contrárias ao pacote de maldades do governo Pezão, estão reajuste salarial, já; contra o aumento de 11% para 14% do desconto feito ao Rioprevidência e a reforma do regime previdenciário; retorno do calendário anterior de pagamento; fim do parcelamento dos salários; pagamento integral do 13; arquivamento do projeto que altera o Rioprevidência; concurso público; e redução da carga horária de 40 para 30 horas semanais, entre outras.

A pressão das mobilizações conjuntas dos  servidores do estado, não apenas da educação, como os da saúde, também em greve, obrigaram o governador a retirar da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) o projeto de lei que previa o aumento da alíquota previdenciária. Duas manifestações conjuntas já foram realizadas: no último dia 16, passeata do Largo do Machado ao Palácio Guanabara, e, no dia seguinte, ato em frente à Alerj. Na educação estão em greve, ainda, os profissionais da Faetec, Uezo, Uenf, Cecierj e Uerj.

Estudantes ocupam escolas

Em solidariedade aos profissionais da educação em greve, alunos do Colégio Estadual Prefeito Mendes de Moraes, na Ilha do Governador, ocuparam a unidade escolar. Reivindicam também melhorias para a educação e se posicionam contra o autoritarismo da secretaria de Educação.Diversos movimentos do estudantes apóiam a ocupação feita de maneira autônoma pelos alunos. Os do Colégio Gomes Freire de Andrade, também discutem ocupar a escola.   


*Com informações do site do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe)






     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec