Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 30/05/2019 15/05/2019 14/05/2019 03/05/2019 10/04/2019
Geral  

Ato no Ministério da Saúde no Rio nesta quarta (8) repudiará medidas que atacam o SUS

07/06/2016

Da Redação do Sindsprev-RJ

Por Hélcio Duarte Filho

 

A frente em defesa da saúde pública e contra as privatizações promoverá, nesta quarta-feira (8), a partir das 10 horas da manhã, manifestação na porta da coordenação do Ministério da Saúde no Rio, no número 128 da rua México, no Centro do Rio. 

 

O protesto irá defender o Sistema Único de Saúde público, a democracia e criticará as propostas e medidas anunciadas pelo governo interino do presidente Michel Temer, que afetam o setor. O Sindsprev-RJ participará e convida todos os servidores a comparecer à atividade.

 

Em uma das primeiras entrevistas que deu após assumir o cargo, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, contestou a Constituição de 1988 e disse que os serviços prestados pelo SUS não cabiam no orçamento púbico brasileiro e que isso precisava ser redefinido. Logo em seguida, desmentiu o que dissera e alegou que fora mal interpretado.

 

Os efeitos das medidas anunciadas pelo governo sobre a saúde pública, no entanto, corroboram com as intenções sinalizadas pelo ministro, crítico assumido dos direitos trabalhistas e da CLT, e não o contrário. A recente aprovação da desvinculação de até 30% das receitas orçamentárias e a anunciada medida provisória que fixará teto para as despesas públicas – que só não atingem o pagamento dos juros das dívidas -  vão significar mais cortes em áreas sociais, como a saúde, a educação, saneamento e transportes.    

 

O ato marcado para começar às 10 horas da manhã desta quarta-feira também deve criticar a intenção do governo de nomear o diretor-administrativo do Into, Jair Veiga, para a coordenação de gestão hospitalar do ministério no Rio. Além das acusações de irregularidades, Veiga é apontado como responsável pela política de assédio moral sobre os servidores do hospital e reconhecidamente defensor da privatização da Saúde.






     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec