Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 30/05/2019 15/05/2019 14/05/2019 03/05/2019 10/04/2019
INSS  

INSS: greve continua para forçar governo a negociar e apresentar propostas concretas

14/08/2015

 

Servidores do INSS aprovam a continuidade da greve, em assembleia realizada nessa sexta-feira (14/08), no auditório da Gerência Centro
Foto: Niko

 

Da Redação do Sindsprev/RJ
Por André Pelliccione

A greve no INSS continua por tempo indeterminado. Em assembleia realizada nessa sexta-feira (14/08), no auditório da Gerência Executiva Centro, os servidores do Instituto também aprovaram o envio de nova caravana a Brasília, na próxima semana, com o objetivo de continuar os contatos com parlamentares, no Congresso Nacional, para forçar o governo a apresentar uma proposta concreta à categoria. A caravana vai sair do Rio na segunda-feira (17/08), ao meio-dia.

Outra deliberação da assembleia foi reforçar os comandos itinerantes que, nos últimos 15 dias, têm percorrido as principais agências do INSS em greve no Estado do Rio, reforçando a paralisação. Os servidores  aprovaram ainda uma ‘repreensão’ ao Departamento Jurídico do Sindsprev/RJ, por não ter enviado um advogado para acompanhar a assembleia. Ficou decidido que, de agora em diante, todas as assembleias do INSS deverão ter a presença de um advogado do Sindsprev/RJ.

A greve do INSS continua crescendo em nível nacional, com adesão de 27 estados, incluindo o Rio de Janeiro, e paralisação de mais de 1.100 APS em todo o país.

Críticas ao autoritarismo da direção do INSS

A assembleia dessa sexta-feira (14/08) foi marcada por duras críticas à direção central do INSS por estar desrespeitando a própria liminar que obteve recentemente junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). A liminar determina que, enquanto durar a greve, sejam mantidas equipes de trabalho com no mínimo 60% dos servidores nas gerências executivas, superintendências regionais, direção central e setores responsáveis pelo cumprimento de decisões judiciais. A decisão, portanto, não inclui as APS e não determina qualquer corte de ponto sobre os servidores em greve.

A direção do INSS, no entanto, vem pressionando verbalmente os gestores do Instituto a incluírem o comando do código de greve (0137) no sistema, o que é arbitrário e desrespeitoso com os servidores. “O que o INSS está fazendo é totalmente absurdo e inaceitável, uma medida que não tem respaldo na própria liminar. Nossa resposta vai ser o fortalecimento ainda maior da greve”, criticou o diretor do Sindsprev/RJ Rolando Medeiros.

Durante a assembleia, foi reproduzido informe do Comando Nacional de Greve da Fenasps segundo o qual vários gerentes de RH do INSS entregaram seus cargos em protesto contra a postura ilegal e arbitrária da direção central do Instituto. “O governo quer criar situações de constrangimento para nos dividir ao tentar incluir as APS em greve numa liminar que não fala das APS em greve. O objetivo é nos fragilizar para nos impor um acordo rebaixado, mas não vamos permitir. É hora de radicalizar e fortalecer ainda mais a greve”, afirmou Janira Rocha, uma das representantes do Sindsprev/RJ no Comando Nacional de Greve da Fenasps.

Caravana a Brasília colocou a greve nos debates do Congresso Nacional

Na caravana de servidores do INSS que esteve em Brasília entre os dias 11 e 13 de agosto, foram iniciados os contatos no Congresso Nacional com vistas à abertura de negociações com o governo e à apresentação de propostas concretas. No dia 11/08, em Brasília, os servidores participaram, com outras categorias, de marcha da sede do INSS ao Ministério do Planejamento (MPOG), onde, após confronto com PMs, foram enfim recebidos pelo secretário de relações do trabalho, Sergio Mendonça. Em resposta aos questionamentos da Fenasps, Mendonça repetiu a mesma proposta já rejeitada pelo conjunto do funcionalismo público federal (reajuste de 21,3% em quatro anos), cuja aceitação foi apresentada como ‘condição’ para a discussão da pauta específica do INSS. “Dissemos em alto e bom som que não aceitamos essa condição absurda imposta pelo Planejamento, pois isto nos engessaria nas futuras discussões salariais. O governo vai ter que negociar a nossa pauta específica sem impor condições, pauta que inclui a incorporação da GDASS, as 30h para todos e concurso público”, disse Janira.

Devido à resistência da Fenasps, o Planejamento prometeu apresentar uma resposta na próxima semana.

“A nossa greve está num momento decisivo e o governo tem medo da paralisação, embora finja o contrário. Temos que fortalecer a greve nacionalmente e aqui no Rio. Vamos à luta pela nossa GDASS”, completou o servidor Carlos Vinícius da Costa Lopes.

Presente à mesa da assembleia como convidado, o diretor da Anasps no Rio, Manoel Lessa, saudou os servidores e destacou a força da greve. “A greve vem aumentando paulatinamente. É o que tenho constatado nas análises e acompanhamento que faço desde o início da paralisação. Diante das ameaças do governo, a resposta tem que ser a energia de vocês. Assim, as conquistas serão maiores”, disse, sob aplausos.

Comissão de deputados vai acompanhar negociações

No Congresso Nacional, o contato mais significativo foi com o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que, após ouvir a exposição de motivos do Comando de Greve da Fenasps, se comprometeu a formar em plenário, na próxima terça-feira (18/08), comissão de 5 deputados encarregada de intermediar negociações junto ao governo e acompanhar as que vierem a ocorrer. A audiência com Cunha foi obtida com ajuda do deputado Cabo Daciolo (sem partido), do Rio de Janeiro.

No Senado, o Comando de Greve da Fenasps se reuniu com o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), que prometeu intermediar negociações junto ao governo. Também foram contactados o presidente da casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), e os senadores Marcelo Crivella (PRB-RJ) e Jader Barbalho (PMDB-PA), que se comprometeram a receber o Comando de Greve da Fenasps em audiência na próxima terça-feira (18/08), em Brasília, quando estará acontecendo a segunda caravana de servidores à capital federal.

No dia 13/08, o Sindsprev/RJ reuniu-se com a presidente do INSS, Elisete Berchiol, a quem expôs a urgência de se buscar uma negociação que traga respostas concretas aos servidores do INSS.

Os servidores lutam por reajuste de 27%, incorporação de 100% da GDASS, 30h para todos, concurso público, condições de trabalho, fim do Reat e da IN 74, entre outros pontos.

Na próxima segunda-feira (17/08), às 14h, no Sindsprev/RJ (rua Joaquim Silva, 98 – Lapa), acontece a reunião do Comando de Greve. Participe.

 

 

 






     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec